FAPERP | Terapia com cavalos traz benefícios à saúde de pacientes com deficiências físicas e neurológicas
Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto
20545
post-template-default,single,single-post,postid-20545,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,select-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Terapia com cavalos traz benefícios à saúde de pacientes com deficiências físicas e neurológicas

Terapia com cavalos traz benefícios à saúde de pacientes com deficiências físicas e neurológicas

Projeto de Equoterapia, desenvolvido pela Faperp em Mirassol (SP), atende em média noventa crianças por ano. Logan, de 6 anos, diagnosticado com autismo, é um dos pacientes que desfrutam do tratamento

A relação de companheirismo e amor entre seres humanos e animais tem sido cada vez mais explorada em tratamentos de diversas áreas da saúde. A equoterapia, por exemplo, tem ganhando destaque no país, com 280 centros listados pela Associação Nacional de Equoterapia (ANDE). O método faz uso do cavalo a fim de promover desenvolvimento físico e psicológico em pessoas com deficiências físicas ou neurológicas.

Reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, a terapia com atividades equestres é multidisciplinar, abrangendo áreas da saúde, educação e equitação, e pode alcançar resultados expressivos no tratamento de pacientes adultos ou crianças. Durante as atividades, os profissionais promovem a construção de um vínculo entre o paciente e o animal, por meio da montaria, atividades lúdicas e estímulos sensoriais.

Ao montar no cavalo, o paciente alcança benefícios musculares, com ajuste de tronco, postura, apoio dos pés, força e autonomia. “Além da evolução física, os estímulos táteis, auditivos e visuais contribuem diretamente no desenvolvimento motor do paciente”, explica Thalita Barguena Ferrari, coordenadora do Projeto Equoterapia de Mirassol (SP), que tem apoio da Faperp.

O cavalo, assim como os cães, é capaz de estabelecer uma relação harmoniosa e de afeto como o ser humano, o que gera nos pacientes um sentimento de empatia e afetividade, resultando em ganhos psicológicos e comportamentais. “O animal tem influência no desenvolvimento social do aluno, ajudando na aproximação e no contato com outras pessoas”, explica Thalita. “Essa afetividade ligada ao ambiente e o contato com a natureza proporcionam prazer e geram boas memórias e aprendizado no paciente”, completa.  Além disso, os participantes desenvolvem autoestima e a autoconfiança, que muitas vezes são deixadas de lado por conta das limitações físicas.

Equoterapia em Mirassol (SP)

O projeto Equoterapia de Mirassol (SP) é realizado pela Faperp, em parceria com o Departamento de Educação da Prefeitura da cidade e atende, em média, noventa pacientes por ano. As atividades equestres são desenvolvidas com pacientes portadores de deficiência física ou neurológica, sejam eles crianças ou adolescentes. O trabalho é feito por profissionais da área de saúde, como fonoaudiólogos, fisioterapeutas e psicopedagogos, além do guia de equitação e estagiários contratados.

Logan Paganin, de 6 anos, foi diagnosticado com autismo e frequenta a Equoterapia há um ano. Segundo sua mãe, Elaine Paganin, as atividades com os cavalos ajudaram no desenvolvimento da postura, da percepção e do foco, deficientes em pessoas portadoras do autismo. “Quando o Logan começou a frequentar a terapia, não dava atenção alguma para os cavalos e para os exercícios. Hoje em dia, ele monta e realiza as atividades com muita dedicação”, conta Elaine com entusiasmo. “O afeto e o cuidado da equipe, além do contato com a natureza e com o animal, fazem toda a diferença no tratamento. O Logan sempre abraça o cavalo, olha nos olhos do animal e demonstra realmente gostar do que faz”, completa.

Nenhum Comentário

Comentar este Artigo