FAPERP | hip hop
Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto
236
archive,tag,tag-hip-hop,tag-236,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,select-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Instrutor da Faperp vence a 11ª edição do Duelo de Titãs

Abril foi um mês agitado para a cultura do Hip Hop em São José do Rio Preto. É que foi realizado o festival HipHopCidade, organizado pela Secretaria de Cultura de Rio Preto. O evento tem como intuito fortalecer a interação entre artistas e a população em geral. Dentro do festival, realizou-se, nos dias 22 e 23 de abril, a 11ª edição do Duelo de Titãs, um campeonato de breaking entre bboys e bgilrs que se enfrentaram individualmente.

O evento contou com o apoio da Faperp e teve um de seus instrutores, Bruno Gustavo Macedo, como campeão de sua categoria. Conhecido no meio artístico como Bboy Buxexa, Bruno se tornou um profissional de arte cultural como instrutor de Breaking em 2012, participando de projetos na Casa do Hip Hop, no Projeto Promovendo Educação, em parceria com a Faperp, e no Projeto Maquininha do Futuro.

Ana Paula Ribeiro, organizadora do Duelo de Titãs, explicou sobre a importância do apoio da Faperp: “A Faperp sempre nos apoiou desde a primeira edição do Duelo. O que temos com a Faperp é realmente um companheirismo que ajuda a dar a cara do Duelo de Titãs.”

O Bboy Buxexa falou sobre como foi sua expectativa para o evento e a realização por vencer a disputa: “Fiquei muito feliz, foi um sonho realizado, pois foram 10 anos batalhando para ser o Titã. Creio que tudo acontece por um propósito, penso que toda dedicação tem o seu retorno e me dedico muito, todos os dias.”

Ele ainda comentou que acha interessante o apoio da Faperp, não apenas para o Duelo de Titãs, mas também para a cultura Hip Hop.

A evolução da cultura do Hip Hop

Há anos a Faperp apoia a cultura Hip Hop. Mas você conhece a história desse movimento? O Hip Hop despontou na década de 70 como uma ação cultural entre os latino-americanos, os jamaicanos e os afro-americanos da cidade de Nova York, mais precisamente no sul do Bronx. O condado do Bronx era uma região carente em várias esferas sociais, e os jovens passavam a maior parte do tempo de lazer nas ruas. Assim, a arte do Hip Hop foi ganhando espaço e conhecimento. Foi DeeJay Afrika Bambaataa o pai da divisão das quatros modalidades de artes existentes, que são:

  • Rap é o estilo musical popular e urbano, tendo como característica principal a recitação rápida e ritmada das palavras;
  • Grafite é a manifestação artística em forma de desenhos nos espaços públicos, popularmente nas paredes e muros das cidades;
  • Dee Jay, mais conhecido como Dj, é o profissional que seleciona e reproduz as mais diferentes composições, gravadas previamente e até produzidas na hora para um determinado público alvo;
  • Breakin é o estilo de dança com improvisação de movimentos no chão, saltos, acrobacias e movimentos de ginástica.

A cultura do Hip Hop é conhecida por transformar a vida de pessoas menos favorecidas, que se apegam na arte urbana e conquistam seus espaços na sociedade. Emerson Bastos Sereni, popular como Bad, é professor, coreógrafo e possui outras experiências na área do Hip Hop. Ele enfatiza que o Hip Hop tem como objetivo principal valorizar, inserir e somar na vida das pessoas.

Bad acredita que a falta de conhecimento da sociedade ainda é o grande impasse para quebrar o preconceito existente em relação ao Hip Hop.  “No caso das artes urbanas da cultura Hip Hop, muitos não julgam por maldade, mas sim por ignorância de não ter tido a oportunidade de conhecer qualquer um dos quatro elementos mais a fundo. Já ouvi muitas pessoas dizendo que achavam que o Hip Hop era outra coisa. Algo pejorativo, pesado, negativo. E, ao conhecer e se aproximar dessa arte, viram que não era nada daquilo.” conta

 

8º Festival Olho da Rua começa nesta segunda-feira (18)

Começa nesta segunda-feira (18/4) e segue até domingo (24/4) a 8ª edição do Festival Olho da Rua – evento realizado pela Prefeitura de Rio Preto, com o apoio da Faperp (Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto), para ampliar a difusão local do movimento hip hop, revelando novos talentos e combatendo a discriminação social.

Neste ano, a programação destaca o grafitti e o breaking. Pela primeira vez, quatro grafiteiros de Rio Preto e um de São Paulo vão colorir pipas gigantes, de 2 metros por 3 metros, na praça Rui Barbosa, no Calçadão. “A pipa é um brinquedo comum para as crianças que vivem nas periferias, local onde nasce e se desenvolve o movimento. Entendemos que o hip hop é como um vento que traz sonhos e os torna reais para essas crianças”, explica a curadora, Ana Paula Ribeiro.

Por falar em crianças, elas também têm vez no festival. No sábado, no Centro Regional de Eventos, será realizado o “Duelo Kids” – campeonato de breaking que reúne participantes de 7 a 13 anos, inscritos durante o próprio evento. Criada no ano passado, a competição infantil promete repetir o sucesso.  “O Duelo Kids é uma versão para crianças do Duelo de Titãs, que completa 10 anos em 2016. Há premiações e os jurados são os mesmos das batalhas dos adultos”, conta Ana Paula.

Para encerrar o festival, no domingo, também no Centro Regional de Eventos, será realizada a 10ª edição do “Duelo de Titãs”, com 16 bboys e bgirls, que se enfrentam individualmente. Os competidores serão avaliados pelos jurados Puber, de São Paulo (SP); William, de Bento Gonçalves (RS); e Rayane, de Anápolis (GO). Quem vencer disputará a final com o bboy Yuri, de Brasília (DF), vencedor das duas últimas edições. No mesmo dia, haverá o inédito Desafio Supremacia, modalidade em que as disputas de breaking ocorrem em grupos.

A discotecagem dos duelos ficará por conta dos DJs Brown, Niko e Basim. Nos intervalos das batalhas, também haverá apresentações de alunos de oficinas da Faperp e da Casa do Hip Hop. Todas as atrações são gratuitas.

Programação

18 de Abril – Segunda-feira

14h – “Graffiti ao vivo em pipas gigantes”

Artista: Grafiteiro Stan – Rio Preto

Apresentação do grupo de breaking Ghetto Warriors, bgirl Pjump e Carol Oliveira

Local: rua Bernardino de Campos, na praça Rui Barbosa

 

19 de Abril – Terça-feira

14h – “Graffiti ao vivo em pipas gigantes”

Artista: Grafiteiro Ora – Rio Preto

Local: rua Bernardino de Campos, na praça Rui Barbosa

20 de Abril – Quarta-feira

10h – “Graffiti ao vivo em pipas gigantes”

Artista: Grafiteira Jaque Nardelli – Rio Preto

16h – Apresentação do grupo de breaking Ghetto Warriors

Local: rua Bernardino de Campos, na praça Rui Barbosa

22 de Abril – Sexta-feira

14h – Apresentação do  grupo de breaking Ghetto Warriors, bgirl Pjump e Carol Oliveira, instrutor Bruno Buxexa e alunos do Projeto Promovendo Educação Integral da Escola Lydia Sanfelice

Local: rua Bernardino de Campos, na praça Rui Barbosa

23 de Abril – Sábado

10h – “Graffiti ao vivo em pipas gigantes”

Artista: Grafiteiro Edson – Rio Preto

Local: rua Bernardino de Campos, na praça Rui Barbosa

14h – Duelo Kids

Local: Centro Regional de Eventos (parte interna)

24 de Abril – Domingo

14h – Duelo de Titãs

Desafio Supremacia

Apresentações de alunos da Faperp e da Casa do Hip Hop

Local: Centro Regional de Eventos (parte interna)

Teatro Municipal “Paulo Moura” recebe o espetáculo “Encena”

Dos pátios das escolas para o tablado do maior teatro da cidade. Essa é a proposta do espetáculo “EnCena Artes Integradas – 2015”, que reúne alunos do projeto Promovendo Educação Integral, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Rio Preto, em parceria com a Faperp (Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto).

A apresentação será nos dias 26 e 27 (segunda e terça), a partir das 19h30, no Teatro Municipal “Paulo Moura”, em Rio Preto, com entrada gratuita. Haverá coreografias de dança livre e danças urbanas, percussão e flauta doce de nove escolas da rede municipal, incluindo a E.M. “Prof. João José Féris”, que também está na programação do festival Breu, do Sesc Rio Preto.

Além de conferir o talento de 240 alunos, o evento terá a participação especial dos instrutores de hip hop que integram o grupo de breaking Ghetto Warriors, responsável pela coreografia “Copo Mágico”, e os duos Rua e Bgirl Pjump. “A ideia é trazer todos os participantes para o palco, criando assim a possibilidade de contemplação de um trabalho de nível profissional, uma vez que, geralmente, os alunos não veem seus instrutores em cena”, explica a coordenadora de Projetos Culturais da Faperp, Eunice Dumbra.

O projeto
O Promovendo Educação Integral foi criado em 2015 e atende cerca de 1,6 mil alunos de 7 a 12 anos, matriculadas em 14 unidades escolares da rede municipal de ensino. Além de aulas de dança livre, danças urbanas e educação musical, os estudantes aprendem sobre teatro, arte circense e desenho de observação.

O objetivo é promover a melhoria da qualidade da educação por meio das atividades culturais, dando origem a trabalhos artísticos de qualidade e contribuindo para a evolução dos participantes como cidadãos. “Buscamos, por meio de diferentes ferramentas de ensino, desenvolver o indivíduo de maneira plena, possibilitando que ele se posicione de forma crítica, responsável e construtiva em diferentes situações do cotidiano”, explica Eunice.

Para o diretor-presidente da Faperp, Luiz Carlos Baida, o “Encena” mostra como a cultura é um importante instrumento de transformação. “Além de estimularmos a convivência social e o desenvolvimento de novas habilidades, temos a oportunidade de apresentar aos pais e à sociedade o crescimento profissional dos alunos e, consequentemente, dos instrutores, que trabalham com muita seriedade, comprometimento e dedicação às artes”, complementa.

Serviço
EnCena Artes Integradas- 2015

Quando: 26 de outubro (segunda-feira) e 27 (terça-feira), às 19h30
Onde: Teatro Municipal “Paulo Moura”, em Rio Preto
Mais informações: (17) 3211-1089
Entrada: franca

Crianças da rede pública se apresentam no festival Breu

Os alunos de breaking do projeto Promovendo Educação Integral, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Rio Preto, em parceria com a Faperp (Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Rio Preto), vão apresentar a coreografia “Brinquedo de Rua”, no megafestival Breu – realizado pelo Sesc Rio Preto, neste domingo (dia 25), a partir das 17h.

A apresentação do grupo, que foi batizado como Street Moving (Movimento das Ruas), conta a história de uma garotinha que tem o sonho de ver suas bonecas dançarem hip hop. Com ingenuidade e desejo de realização, a personagem consegue dar vida a duas bonecas.

As aulas, comandadas pelo professor Emerson Bastos Sereni, conhecido como Bad, são realizadas na Escola Municipal “Prof. João José Féria”, no bairro Vila Toninho, com crianças de 6 a 12 anos.