FAPERP | Autismo: o que é, diagnóstico e tratamentos
Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto
22202
post-template-default,single,single-post,postid-22202,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,select-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Autismo: o que é, diagnóstico e tratamentos

Autismo: o que é, diagnóstico e tratamentos

No dia 2 de abril é celebrado o Dia da Consciência Mundial do Autismo, transtorno que pode afetar crianças e ser diagnosticado a partir dos 3 anos de idade.

 

O que é o autismo?

O autismo é um transtorno que tem origem no neurodesenvolvimento, aparecendo ao longo do desenvolvimento humano da criança.

Os indivíduos com autismo têm alterações no cérebro na região cortical que corresponde à fala e a sociabilização. Em geral, a criança nasce sem sintomas físicos que chame a atenção para o transtorno. Ao longo do seu desenvolvimento, aparecem as dificuldades de sociabilização, interesses restritos comparados aos de outras crianças da mesma idade, ausência da fala e apresentação de movimentos repetitivos com as mãos – o balanço do corpo, o olhar transpassa objetos e pessoas e a criança não busca foco visual ou atencional.

 

Diagnóstico e tratamentos do autismo

O autismo pode ser diagnosticado em torno de 3 a 4 anos de idade. Deve ser avaliado e validado por um pediatra, neuropediatra e ou psiquiatra, junto a uma equipe multidisciplinar e em conjunto com a família.

É necessário após o diagnostico confirmado do TEA (Transtorno do Espectro Autista), que a criança seja encaminhada para receber as estimulações necessárias ao seu desenvolvimento por meio de terapias como:

– musicoterapia

– equoterapia

– psicopedagogia, com métodos especializados como TEACCH, ABA, entre outros

– educação física com circuitos funcionais e natação

– terapia ocupacional no treino das AVD (atividades de vida diária)

– integração sensorial, como pediasuit

– inserção escolar, favorecendo a interação social, a convivência com grupos, possibilitando o desenvolvimento por convivência de comportamentos sociais mais padronizados, com ajustes respeitando suas especificidades.

Também é muito importante oferecer apoio à família e aos cuidadores e educadores que estiverem ligados ao convívio para que se engajem a agir com os objetivos em comum pelo desenvolvimento e pela evolução da criança.

 

Texto redigido por Luciana Zanin, orientadora educacional do projeto Faperp Educação. Saiba mais aqui!

 

Bibliografia:

Blog Lagarta Vira Pupa, disponível em: www.lagartavirapupa.com.br

Vídeo “Autismo: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento”, disponível no Canal da Usp no Youtube (2017).

Tags:
,

Nenhum Comentário

Comentar este Artigo