FAPERP | 2015 Janeiro
0
archive,date,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,select-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Terapia com cavalos traz benefícios à saúde de pacientes com deficiências físicas e neurológicas

Projeto de Equoterapia, desenvolvido pela Faperp em Mirassol (SP), atende em média noventa crianças por ano. Logan, de 6 anos, diagnosticado com autismo, é um dos pacientes que desfrutam do tratamento

A relação de companheirismo e amor entre seres humanos e animais tem sido cada vez mais explorada em tratamentos de diversas áreas da saúde. A equoterapia, por exemplo, tem ganhando destaque no país, com 280 centros listados pela Associação Nacional de Equoterapia (ANDE). O método faz uso do cavalo a fim de promover desenvolvimento físico e psicológico em pessoas com deficiências físicas ou neurológicas.

Reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, a terapia com atividades equestres é multidisciplinar, abrangendo áreas da saúde, educação e equitação, e pode alcançar resultados expressivos no tratamento de pacientes adultos ou crianças. Durante as atividades, os profissionais promovem a construção de um vínculo entre o paciente e o animal, por meio da montaria, atividades lúdicas e estímulos sensoriais.

Ao montar no cavalo, o paciente alcança benefícios musculares, com ajuste de tronco, postura, apoio dos pés, força e autonomia. “Além da evolução física, os estímulos táteis, auditivos e visuais contribuem diretamente no desenvolvimento motor do paciente”, explica Thalita Barguena Ferrari, coordenadora do Projeto Equoterapia de Mirassol (SP), que tem apoio da Faperp.

O cavalo, assim como os cães, é capaz de estabelecer uma relação harmoniosa e de afeto como o ser humano, o que gera nos pacientes um sentimento de empatia e afetividade, resultando em ganhos psicológicos e comportamentais. “O animal tem influência no desenvolvimento social do aluno, ajudando na aproximação e no contato com outras pessoas”, explica Thalita. “Essa afetividade ligada ao ambiente e o contato com a natureza proporcionam prazer e geram boas memórias e aprendizado no paciente”, completa.  Além disso, os participantes desenvolvem autoestima e a autoconfiança, que muitas vezes são deixadas de lado por conta das limitações físicas.

Equoterapia em Mirassol (SP)

O projeto Equoterapia de Mirassol (SP) é realizado pela Faperp, em parceria com o Departamento de Educação da Prefeitura da cidade e atende, em média, noventa pacientes por ano. As atividades equestres são desenvolvidas com pacientes portadores de deficiência física ou neurológica, sejam eles crianças ou adolescentes. O trabalho é feito por profissionais da área de saúde, como fonoaudiólogos, fisioterapeutas e psicopedagogos, além do guia de equitação e estagiários contratados.

Logan Paganin, de 6 anos, foi diagnosticado com autismo e frequenta a Equoterapia há um ano. Segundo sua mãe, Elaine Paganin, as atividades com os cavalos ajudaram no desenvolvimento da postura, da percepção e do foco, deficientes em pessoas portadoras do autismo. “Quando o Logan começou a frequentar a terapia, não dava atenção alguma para os cavalos e para os exercícios. Hoje em dia, ele monta e realiza as atividades com muita dedicação”, conta Elaine com entusiasmo. “O afeto e o cuidado da equipe, além do contato com a natureza e com o animal, fazem toda a diferença no tratamento. O Logan sempre abraça o cavalo, olha nos olhos do animal e demonstra realmente gostar do que faz”, completa.

Nova diretoria é empossada na Faperp

Docentes da Unesp de Rio Preto formam o time

Um novo ano se inicia e, com ele, novas páginas vêm compor a história de sucesso e realizações da Faperp. A partir de janeiro de 2015, a Fundação conta com um novo time de diretores, eleitos pelo conselho curador no final de 2014. Agora, à frente da entidade estão Luiz Carlos Baida, Marinônio Lopes Cornélio e Cláudia Bonini, todos professores da Unesp de Rio Preto.

Encerrando sua gestão como diretor-presidente, o professor Antonio José Manzato destaca que o trabalho em equipe é fundamental para a Fundação alcançar seus objetivos e, por isso, está confiante de que a nova diretoria será marcada por muitas conquistas. “O alinhamento entre a diretoria e a equipe dedicada e leal da Faperp certamente garantirá a continuidade do trabalho e, claro, seu constante aprimoramento”.

O professor Carlos Valêncio, que ocupou o cargo de diretor-administrativo, agradeceu pela oportunidade de colaborar com uma Fundação de prestígio como a Faperp. “Foi um período de muito aprendizado e bons relacionamentos”.

Já o professor Raul Aragão Martins, que deixa o cargo de diretor-científico, também afirma ter vivenciado um período de grande valor. “Colaborar para o desenvolvimento de projetos e saber que eles proporcionam resultados positivos para a sociedade é gratificante. Passo meu cargo com a sensação de dever cumprido”.

Nova diretoria

Assume o cargo de diretor-presidente da Faperp o professor Luiz Carlos Baida, do Departamento de Ciências de Computação e Estatística. O docente tem graduação em Licenciatura em Matemática pela Unesp (1975), mestrado em Estatística pela USP (1981) e doutorado em Agronomia (Estatística e Experimentação Agronômica) também pela USP (1990). “A amizade de longa data com o professor Manzato me transmitiu muita confiança e segurança para assumir esse cargo. Pretendo dar continuidade ao que já está sendo feito, afinal, em time que está ganhando não se mexe, não é?”, disse.

O cargo de diretor-administrativo será ocupado pelo professor Marinônio Lopes Cornélio. Graduado em Física pela Universidade Federal da Paraíba (1985), com mestrado em Física Aplicada pela USP (1989) e doutorado em Física Aplicada também pela USP (1994), o docente já havia desenvolvido projetos em parceria com a Faperp. “Estou muito grato com essa oportunidade porque sei que terei muito aprendizado trabalhando dentro de uma Fundação como esta”.

Cláudia Bonini é quem assume o cargo de diretor-científico da Fundação. Professora do Departamento de Biologia da Unesp de Rio Preto, possui graduação em Ciências Biológicas pela Unesp (1982 e 1983) e mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Genética) pela mesma universidade (1990 e 1993). Desde 2012, fazia parte do conselho curador da Fundação. “Fiquei muito feliz com o convite, pois o que mais me motiva no mundo acadêmico, desde que me formei, é trabalhar com extensão. Na Faperp, sei que terei um terreno muito fértil para isso”, afirmou.

Diversão e aprendizado compõem a agenda de férias do CICC

De astrofísica a leitura, a programação atende a variados gostos do público

A programação de férias do CICC (Centro Integrado de Ciência e Cultura) está recheada de diversão, cultura, ciência e muito conhecimento. A novidade neste ano são cursos especiais sobre buracos negros, um prato cheio para os amantes da astronomia. Mas quem gosta de outras áreas do conhecimento também poderá aprender e se divertir com muitas atrações que prometem surpresas e descontração para todos os públicos.

O curso “Astrofísica de Buracos Negros”, ministrado pelo professor Alexandre Neves, físico do Centro, contará a história desses fenômenos intergalácticos, explicando alguns tipos de buracos negros já estudados e seus efeitos no espaço. “Além de falar sobre os buracos negros, colocaremos em pauta o que é a astrofísica e as diversas teorias existentes nessa vertente de estudo”, conta Neves. O curso será realizado nos dias 14, 16, 21, 23, 28 e 30 de janeiro, das 19h30 às 22h30. Para participar, é necessário fazer inscrição por telefone ou pessoalmente, na Secretaria do CIECC (Complexo Integrado de Educação, Ciência e Cultura). As vagas são limitadas e o curso é gratuito.

Quem se interessa pela relação da ciência com a arte e com o cotidiano poderá aprender muito com o Show de Ciências. Por meio de experimentos de Física e Química, os monitores mostrarão como se divertir estudando conceitos científicos de forma descontraída. Serão dois dias apresentação: 22 de janeiro, às 20h, e 24 de janeiro, às 17h.

Para os amantes da matemática, o show “Matemágica” promete estimular e desafiar o raciocínio lógico do público participante, e será realizado no auditório do CIECC, no dia 15, às 20h, e no dia 17, às 17h.

No Espaço das Linguagens, o público poderá conhecer personagens famosos do “Sítio do Pica Pau Amarelo”, criado pelo escritor Monteiro Lobato, e se divertir com as brincadeiras de Pedrinho, Narizinho, Emília, Visconde de Sabugosa, Tia Nastácia e Dona Benta. Todos estão convidados a participar, no dia 31 de janeiro, às 17h.

Outra grande atração vem da parceria do CICC com a Unirp, a Polícia Ambiental e o Bosque Municipal de São José do Rio Preto, que promovem a “Mostra de Zoologia: animais taxidermizados”. Na exposição, o público será apresentado aos animais taxidermizados, ou seja, reproduzidos por meio de preservação da pele e tamanho para exibição e estudo, e a esqueletos de variados ecossistemas e suas características anatômicas. A mostra será realizada no pátio do CIECC, nos dias 17, 24 e 31 de janeiro, das 14h30 às 16h30.

O Observatório do CIECC estará aberto ao público nos dias 15, 22 e 29 de janeiro, das 20h30 às 22h. As observações astronômicas dependem das condições climáticas.

Todas as atividades são gratuitas. O CIECC está localizado na Avenida João Batista Vetorazzo, 500, Distrito Industrial. Mais informações pelo telefone (17) 3232-9426 ou pelo site http://www.centrodeciencias.org.br/.

Serviço

Programação de férias do CICC

Confira em http://bit.ly/1BOvSss 

Entrada Franca